sábado, 28 de fevereiro de 2009

Uma certa confusão, este “eduquês”...


Li o livro de Nuno Crato (O “eduquês” em Discurso Directo...) em 2006. Aquilo era uma desconstrução maligna, uma análise cruel que atingia a soco a feliz professora do ensino primário que eu era, no início da minha carreira profissional. Não entendi muito bem aquele malquerer aos professores e à escola que Abril nos trazia...

Erros, exageros, insegurança, certamente. Aquela escola “experimental” (refiro fins anos 70, meados 80?...) fez bons e bem letrados cidadãos.

A escola pública estava, na verdade, a aprender. A aprender a ensinar e a aprender (e não há redundância nisto). Estava a descentrar-se do professor, do sistema, do velho Estado. Estava a caminhar para o aluno, para o cidadão; para o texto e o contexto. A minha escola era uma festa de saber, de conhecimento, de alegria e de preparação para a solidariedade que não conhecíamos.
A minha escola era isso. A escola, a pedagogia a que Nuno Crato chamou de escola do “eduquês”.

Assim sendo, eu era uma “eduquêsiana”.
Com muito gosto, senhor matemático. E saiba que os meus alunos decoravam a tabuada. Aprendiam-na, em contexto...

Ora, o “eduquês” (essa crítica desonrosa, que se ia fazendo ideia) não se expôs muito mais, a sua presumível função era atalhar caminho e instalar-se nos corredores do poder educativo. Perdi-lhe o rasto. Mas, Marçal Grilo ficou...

Para atormentar a minha boa memória e confundir, no presente, a nossa batalha pela educação, aí está, de novo, o assombroso “eduquês” (crítica de Crato) com entusiasmados ou acanhados adeptos.

Ramiro Marques, refere, no seu texto (sem dúvidas) que essa prática “da chamada pedagogia progressista abriu caminho aos desmandos burocráticos do ME e à desfiguração da profissão docente”.

Instala-se a dúvida: então a “minha” escola, a nossa pioneira ideia de escola, de conhecimento, de liberdade, de democracia é responsável pela entidade Mª De Lurdes Rodrigues? Ainda. Serei eu uma docente desfigurada?

Marques anima-se com a acusação “cratiana” (“eduquês”) para fazer desencolher ideias.
Talvez numa entente psico-linguística, RMarques deixa cair o verbo com “disparates pseudopedagógicos que têm vindo a infernizar a escola...” e “sendo uma roupagem que pretende esconder o vazio e a ignorância, o eduquês é também uma ideologia que abre o caminho à expulsão da dimensão cultural do currículo...”

Com isto, Marques desbarata a professora do ensino primário “romântica” e “construtiva”(?) e abate-se sobre uma geração (que) dura e perdura (estiolando) pugnando, não só pela dimensão cultural no currículo, mas por toda a dimensão do conhecimento.

É sobre esta geração, sobre esta ideia política de escola que se engendra uma crítica, um combate - o “eduquês”. Ou seja, o “eduquês” é uma tentativa de construção de um ideário para combater o que foram experiências, aprendizagens, ensaios, com imaturidade, claro, mas que deveriam ser aperfeiçoadas, para a construção de uma boa escola pública, no nosso país.

Mais uma vez se testemunha a urgência para uma séria reflexão. É absolutamente necessário sabermos qual é a escola que queremos, hoje.

Assumir o debate entre nós e para a sociedade, não o deixando apenas do outro lado. E o outro lado sabemos qual é. O da defesa de uma escola cada vez menos pública, mais barata, mais residual. Onde se desbarata a pedagogia em prol de competências (atenção ao discurso das competências, assim como ao das matemáticas e outros saberes sem contexto) mínimas para alimentar o mercado e a empregabilidade efémera.

As políticas educativas, não é demais reafirmá-lo, decorrem da lógica empresarial que transforma a educação num bem de consumo, numa fonte de lucro. Uma nova ordem para a educação vem-se desenhando, onde o novo conceito de conhecimento, como diz Bernestein, não é apenas como o dinheiro, o novo conhecimento é dinheiro.

A título de exemplo e para que conste que esse mandato se vem configurando nas ultimas décadas:

Em 1997 o Conselho Europeu era pródigo em dar a conhecer as prioridades para os sistemas educativos - a competitividade para melhor adaptação ao mercado de trabalho, em nome da redução dos programas de ensino e do desvio do discurso pedagógico para o conceito, ainda, difuso da empregabilidade. (v actas)

Num encontro do GATE (1998) patrocinado pela IBM e Coca - Cola, o seu Presidente R. Jones declarava “ do ponto de vista do empresário, o ensino constitui um dos mercados mais vastos e com mais crescimento (...) os empresários consideram que o ensino é um extenso mercado para conquistar”.
Há mais...

Então, distorcer, difamar, destruir experiencias pedagógicas (Nuno Crato, Graça Moura...) que investem no acesso democrático ao conhecimento é estratégia devastadora que submete o progresso e reduz ao fracasso cultural e histórico das comunidades.

FQ do MEP

Falta só uma semana!


Um grande cordão humano vai ligar a Assembleia da República ao Ministério da Educação.
Marquês de Pombal, Largo do Rato e Avenida 5 de Outubro vão ser os pontos de concentração, a partir dos quais de formará a grande corrente.

Participa e apela à participação!

Juntos somos mais fortes!

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Encontro Nacional de Professores em Luta


Vários movimentos de professores e de defesa da escola pública (APEDE, MUP, MEP, PROMOVA, CDEP) promovem no próximo dia 14 de Março, em Leiria, um Encontro Nacional de Professores em Luta.

O Encontro decorrerá no mesmo local onde se realizou o Encontro Nacional de Escolas em Luta: Teatro José Lúcio da Silva, na zona central de Leiria. Terá início às 10h e terminará por volta das 17h.

Será uma ocasião para os professores que têm resistido nas escolas se encontrarem e discutirem o rumo que tencionam dar a um combate que é de todos nós.

Além da frente jurídica, é fundamental reflectir em conjunto sobre outras formas de luta a desenvolver até ao final do ano lectivo, de modo a recuperar a força unida que os professores já souberam demonstrar em vários momentos.

Vê aqui como chegar ao Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria

Afinal...


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

FENPROF INTERPÕE PRIMEIRA PROVIDÊNCIA CAUTELAR REFERENTE À AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

A FENPROF, através do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa, entrega sexta-feira, dia 27 de Fevereiro, pelas 11.00 horas, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa, a primeira Providência Cautelar referente à avaliação de desempenho.

Com esta iniciativa junto dos Tribunais pretende-se parar com as orientações normativas que, sem fundamento legal, a Direcção-Geral de Recursos Humanos da Educação (DGRHE/ME) tem vindo a dar aos órgãos de gestão das escolas e agrupamentos. Depois de diversos mails que fez chegar aos conselhos executivos, a DGRHE/ME, com o seu texto, de 9 de Fevereiro, (que, abusivamente, também enviou para os endereços electrónicos da generalidade dos professores e educadores), depois de reconhecer que a apresentação de uma proposta de objectivos individuais (OI) pelos docentes é uma "possibilidade" que lhes é oferecida, vem, a seguir, afirmar que, "no limite", a não entrega inviabiliza a sua avaliação. Já antes, no mesmo texto, informa os presidentes dos conselhos executivos de que, em caso de não apresentação de OI, deverão notificar os docentes do incumprimento, bem como das suas consequências.

O que a DGRHE/ME nunca refere, nesta sua nota intimidatória, é qual o designado "limite", qual o fundamento legal para a eventual inviabilização da avaliação e quais as consequências e em que quadro legal se encontram previstas.

Ou seja, a DGRHE/ME empurra as escolas e os presidentes dos conselhos executivos para a prática de actos ilegais, enviando-lhes orientações que não clarifica nem fundamenta legalmente. É esta a razão por que os diversos Sindicatos da FENPROF avançarão com estas Providências Cautelares (sexta-feira em Lisboa, posteriormente, nas diversas regiões do país) e com os processos administrativos subsequentes.

Rankings educativos


Os burocratas da educação sonham com números exactos que avaliam a realidade objectiva e simplesmente. Os jornalistas apressados desejam manchetes e comparações transparentes que permitam tirar ilações imediatas, apontar o dedo aos culpados e virar a página em direcção a uma nova polémica. Os rankings são uma receita perfeita para estes dois grupos. Até porque, apesar de tudo, com os números se podem sempre fazer alguns números de malabarismo.

Em Portugal foi o jornal Público a conduzir uma campanha a favor de um ranking de escolas de acordo com os resultados dos exames nacionais. Alguns aceitavam, quanto muito, matizar estes resultados relacionando-os com os padrões sócio-económicos dos concelhos em que as escolas estejam inseridas e/ou equacionando ainda os custos da interioridade.

Refira-se que mesmo alguma esquerda caiu nesta armadilha ao reproduzir tacticamente o discurso sobre uma “melhor escola pública do país”, situada em Coimbra, aproveitando esse estatuto para combater o sistema de avaliação que o ME quer impor aos professores.

Conclusão pronta a consumir a partir destes rankings: o sistema privado de ensino seria melhor que o público. Receita: privatizar mais. E contudo, pegando nos mesmos números outra conclusão é possível: há um país de desigualdades sociais que se traduzem em termos de desempenhos escolares e nenhuma medida educativa estrutural para combater esta forma de injustiça.

Os testes e relatórios PISA da OCDE têm sofrido o mesmo destino que as comparações entre resultados de exames nacionais. Propícios a leituras enviesadas e rápidas, os relatórios PISA foram transformados em rankings feitos quase à medida para avaliar o “melhor sistema educativo” tal como os exames nacionais constituiriam um ranking perfeito para avaliar “a melhor escola do país”. Mais do que tudo, PISA tornou-se sinónimo de um barómetro mediático do desempenho dos sistemas educativos ocupando um papel central nas arenas políticas nacionais. E as mesmas conclusões simplistas: os melhores e os piores. As receitas implicam copiar um pouco dos melhores (não tudo obviamente que isso ficaria muito caro ou não seria exequível no nosso contexto).

E a partir destes relatórios também se poderia tirar a mesma conclusão que perante os exames nacionais: há um fosso enorme entre desempenhos no interior do mesmo país. E isso faz toda a diferença.

Em entrevista à Sciences Humaines, Jean-Yves Rochex, professor de ciências da Educação na Universidade Paris-VIII, defende que a comparação entre países é desinteressante, estatisticamente pouco relevante, e pergunta o que o PISA afinal avalia: “as performances dos sistemas educativos, ou as características culturais dos países, ou ainda a eficácia da educação das famílias?”

Para este professor universitário, PISA assentaria sobre um duplo pressuposto substancialista: “das competências universais e independentes dos contextos culturais” e da “estabilidade destas competências num mesmo individuo independentemente dos contextos e das condições de avaliação.” Referindo o autor estudos acessórios ao PISA que mostram que as competências dos alunos variam fortemente consoante contextos e tarefas propostas.

Este investigador defende igualmente que, se algumas lições o PISA nos dá, são as de que maior autonomia e descentralização não se traduzem imediatamente em menores desigualdades nos resultados e de que alguns dos países com melhores resultados no combate às desigualdades são os que têm sistemas ditos de “colégio único” e não os que apostam em vertentes profissionalizantes desde muito cedo nas formações escolares. O que coloca em causa algumas reformas e propostas políticas em França como aqui.

Aquilo que os números, por mais pobres que sejam, nos teimam em afirmar parece ser que a escola é, hoje como antes, reprodutora de desigualdades. Mas isso, os burocratas da educação teimam em não ver e os jornalistas apressados raramente o traduzem em manchetes. E de certeza que daí não podemos esperar que se pense em formas de combater a desigualdade social na escola. Mas esse é um desafio fundamental para a esquerda. Esta é uma questão difícil, que já teve muitas respostas óbvias que foram sendo abandonadas, e que é urgente para salvar o projecto de cidadania próprio da escola pública.

Texto de Carlos Carujo, no seu site

FNE exige suspensão imediata deste modelo de avaliação


Vê aqui todo o comunicado da FNE. A verdade é que o comunicado dos movimentos parece ter valido a pena

O caso dos livros de Braga

Por Antero Valério

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Reacção da FNE ao comunicado dos movimentos

Lisboa, 25 Fev (Lusa) - O secretário-geral da Federação Nacional dos Sindicatos de Educação (FNE) negou hoje que a estrutura sindical esteja a incentivar os docentes a entregar os objectivos individuais, como acusam três movimentos independentes de professores.

A entrega dos objectivos individuais é a primeira etapa da avaliação de desempenho, avaliação essa que os professores contestam, mas que, de acordo com a Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino (APEDE), o Movimento Escola Pública (MEP) e o Promova, tem sido incentivada pela FNE.

De acordo com um comunicado destes movimentos, citado pela comunicação social, "diversos professores que contactaram os serviços da FNE, colocando questões sobre a não entrega dos objectivos individuais, obtiveram como resposta um discurso intimidatório e desmobilizador".
Perante esta acusação, o secretário-geral da FNE disse hoje que "se alguém está a dar essa interpretação, ela não corresponde aquilo que são as orientações" que a FNE tem estabelecido e que tem passado aos professores.

"Aquilo que nós dizemos às pessoas é que nós continuamos a considerar o actual modelo de avaliação injusto e está a revelar-se mais uma vez que tem fragilidades de execução enormes que fazem com que praticamente não esteja instalado nas escolas", disse aos jornalistas João Dias da Silva, à margem de uma conferência de imprensa da UGT, estrutura sindical da qual é presidente.

Acrescentou que entende como "legítimas" todas as formas de luta que os professores encontrarem "para dentro da legalidade contestar aquilo que é um modelo de avaliação injusto".
"É isto que nós dizemos e os sindicatos da FNE, através do seu serviço de contencioso, prestarão apoio a todos os professores que neste quadro, por alguma razão, estejam sujeitos a qualquer procedimento", disse João Dias da Silva.

Questionado sobre a permanência da FNE na Plataforma Sindical de Professores, Dias da Silva disse que essa questão "não está em cima da mesa" e reafirmou que na negociação com o Ministério da Educação a FNE não está disposta a abdicar de duas questões que continuam "inultrapassáveis".

"Não pode existir uma divisão hierárquica dos professores e não pode haver contingentações administrativas para acesso aos patamares remuneratórios superiores. Se respeitados estes dois princípios for possível encontrar um caminho de definição de uma estrutura de carreira e de uma avaliação de desempenho, nós estamos disponíveis para prosseguir todo o trabalho no encontro dessa solução", acrescentou o secretário-geral da FNE.

No entanto, já durante este mês, o Ministério da Educação fez saber que só formalizará uma proposta para abolir a existência de vagas no acesso a professor titular se os sindicatos aceitarem a existência de uma categoria diferenciada e as quotas para atribuição das classificações mais elevadas na avaliação de desempenho.
SV/MLS.
Lusa/Fim

Democracia...desde que seja feita a minha vontade...

Circula pela blogosfera um texto muito interessante ainda a propósito dos acontecimentos recentes de Paredes de Coura. Foi redigido por um Professor que também é pai de um aluno que frequenta um estabelecimento de ensino desse território educativo.


A Gestão da Democracia



O desfile de carnaval em Paredes de Coura é apenas a face visível e mediática de uma questão muito mais negra e que nos traz de volta fantasmas que julgávamos exorcizados das nossas vivências. Trata-se de uma questão de poder e, como qualquer questão de poder, implica algumas tomadas de posição extremadas e à margem daquilo que seriam as normais práticas da democracia e da cidadania.

As Escola estão organizadas de forma a incluírem, nos seus órgãos decisórios, elementos representativos dos seus interesses e organizadoresdas suas políticas. Essa representatividade é determinada hierarquicamente e aceite pelos constituintes de cada órgão. O Conselho Pedagógico é, por excelência, o órgão decisório na organização de cada Escola. É, acima do Conselho Executivo, responsável pelas actividades a realizar, pelas políticas a instituir e pela agenda da Escola.

As decisões emanadas dos Conselhos Pedagógicos das Escolas são fruto da autonomia de que gozam e legitimadas pela democracia que regula o seu funcionamento… mas não em todas as Escolas. No Minho, em Paredes de Coura há uma Escola onde o Conselho Pedagógico não rege efectivamente a sua própria Escola… não rege não porque não esteja mandatado para isso, não rege não porque não esteja composto de elementos competentes para o fazer, não rege não porque não tenha reconhecimento institucional e social para o fazer…

A democracia tem coisas aborrecidas… tem nuances que incomodam… não serve o interesse de todos ao mesmo tempo… obriga a compromissos em vista de um bem maior… por vezes obriga-nos a aceitar decisões que não nos agradam mas que são fruto de interesses mais representativos que os nossos… não é um sistema organizacional perfeito mas, tendo em conta as opções, é o melhor que temos…A democracia tem regras definidas, algumas delas tão básicas que nem faria falta recordar – a legitimidade da maioria, por exemplo.

Um Conselho Pedagógico com 15 representantes decide, democraticamente, rever e fazer uma gestão mais ajustada do seu Plano de Actividades retirando aquelas que não considera nucleares ao desenvolvimento pedagógico dos alunos. A votação, democrática, não é unânime (o tal empeno da democraciaque nem sempre agrada a todos) mas é aceite pelos presentes. Até aqui a democracia prestou um serviço a todos porque, melhor ou pior, todas as partes interessadas estavam representadas e tiveram direito à expressão da sua opinião.

Onde a democracia começou a desfalecer foi no momento em que o Representante dos Pais considerou que esta solução, apesar de maioritária e democrática, não servia os seus interesses. O representante dos Pais (a mim não me representa) tem o direito a lutar pelos interesses daqueles que o nomearam e deve fazê-lo em Sede própria e socorrendo-se dos procedimentos instituídos e aceites por todos dentro da organização hierárquica. Deve fazê-lo também imbuído de um espírito crítico, frontal e honesto para com os seus pares… e não o fez… pondo-se completamente à margem do compromisso funcional do órgão onde tem assento, numa atitude ressabiada de menino a quem não fazem a vontadinha, foi fazer queixinhas à comunicação social… e fugiu à verdade nassuas declarações… exagerou, deturpou, atrapalhou. Ao bom estilo dacomunicação social actual, o Representante dos Pais foi "um prato cheio"para os "jornalistas".

Não estou com isto a dizer que a sua atitude não foi de esperteza… até foi… a democracia não serviu os seus interesses, não foi capaz de aceitar uma decisão que não lhe era favorável… então toca de arranjar subterfúgios que fizessem vingar a sua derrota – que dos fracos não reza a História.

Não tardava muito que o Ministério da Educação não se fizesse mexer, a bem da educação do povo, fazendo todo o tipo de pressão para que se realizasse o\Desfile… "the swow must go on". Como referi no início, o Desfile é o fiel da balança… obrigar os professores a participar é a prova acabada de que, neste caso, a democracia é "maleável" e "adaptável" em função de interesses que passam muito além da realidade escolar e da hierarquia estabelecida… é um indicador da força de quem manda... e quem manda assim, atropelando os trâmites determinados e as resoluções anteriormente assumidas em Sede legítima, mata a democracia.

Mal de nós (todos) quando a democracia pode ser determinada pela imprensa e pelos interesses de 1 contra a vontade de 14. Os professores participam obrigados neste cortejo e infelizmente este acto vai ser visto como um vergar dos professores à estratégia do Representante de Pais.

Aos mais fracos de espírito não faltará o ímpeto mesquinho de julgar: – Obrigámos os Professores a participar no Desfile.

Aos professores sobra a consolação de o fazer porque coagidos;

Sobra a tristeza de ver a democracia assim manipulada; Sobra a consciência de que os órgãos de gestão só servem quando as suas decisões são favoráveis a certos interesses; Sobra a ideia de que toda a gente tem opiniões a dar na Educação e que todas são consideradas, menos as dos professores;

E a mim em particular acresce a indignação: quero os meus filhos educados por professores com capacidade de decisão; quero os meus filhos educados por professores livres, respeitadores e respeitados pela democracia; quero os meus filhos educados num ambiente onde as decisões se tomem deforma consciente, salutar e solidária; quero os meus filhos educados por PESSOAS na verdadeira acepção da palavra; sem estarem manietadas nem serem obrigadas a ir contra as decisões dos seus pares, forçadas por estratégias interesseiras quero que os meus filhos aprendam o conceito de Fascismo nos livros de História e não nos livros de Mundo Actual;


Luís Filipe Ribeiro Borges

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Rosário Gama faz perguntas interessantes


São estes os valores que o ministério defende para as escolas? Oportunismo, incoerência, medo, angústia, conflitualidade?

Será que a equipa ministerial fica satisfeita com o número de professores que entregaram os objectivos mesmo que isso signifique um clima de perturbação e agudização de conflitos que contribui para um funcionamento anormal das escolas? Serão estas as virtualidades que a opinião pública vê nesta insistência, mesmo que esta avaliação roce a caricatura? É esta situação que é premiada nas sondagens? Este assunto não perdeu a actualidade: o Ministério da educação ainda está a tempo de repor a serenidade e a seriedade no trabalho das escolas.
In Jornal o Público
Hiperligação para a notícia aqui

Comunicado de movimentos de professores

Nestes últimos dias, diversos professores que contactaram os serviços da Federação Nacional dos Sindicatos da Educação (FNE), colocando questões sobre a não entrega dos objectivos individuais, obtiveram, como resposta, um discurso intimidatório e desmobilizador que os aconselhava a ponderar todas as consequências da não entrega dos objectivos, indo ao ponto de afirmar que uma dessas consequências poderia incluir o procedimento disciplinar.

Consideramos que esta atitude da parte de responsáveis da FNE é de uma extrema gravidade. E maior gravidade assume pelo facto de reflectir, presumivelmente, comportamentos que não são isolados nem ocorrem à revelia das orientações da direcção da FNE.

Lembramos que a FNE subscreveu, em conjunto com todos os sindicatos de professores que integram a Plataforma Sindical, um apelo para que os professores se recusassem a entregar os objectivos individuais como forma de lutar pela suspensão integral do modelo de avaliação do desempenho. As declarações que responsáveis da FNE prestaram a diversos colegas violam claramente, e inadmissivelmente, o compromisso que essa organização sindical assumiu perante todos os professores.

Entendemos ainda que tais declarações minam e traem o esforço que muitos professores têm feito no sentido de persuadir colegas mais hesitantes a manterem-se firmes no propósito de não entregar os objectivos individuais. A luta que travamos nas escolas, numa fase particularmente difícil, necessita da união de todos, da convergência de actuação e do apoio das organizações sindicais.

A resistência dos professores só sai reforçada se a actuação de quem tem a obrigação de ser a voz activa da classe docente honrar os seus compromissos, e nunca com um discurso isolado e divergente, empenhado em incutir os receios que têm sido propagados pelos organismos do Ministério da Educação. Importa realçar que o recente parecer jurídico do Dr. Garcia Pereira mostrou, de forma clara, como esses receios carecem de fundamento, o que torna ainda mais inaceitável o comportamento dos responsáveis da FNE.

Além disso, vemos com grande preocupação os sinais de que a FNE se prepara para abandonar a Plataforma dos Sindicatos, os quais gostaríamos de ver inequivocamente desmentidos. A serem confirmados, isso apenas contribuirá para destruir uma unidade que tem sido, até agora, uma das condições mais importantes na luta dos professores contra as políticas do Governo e do Ministério da Educação.

APEDE (Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino)
MEP (Movimento Escola Pública)
PROMOVA (Movimento de Valorização dos Professores)

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

As costas largas do eduquês

Ramiro Marques compara o eduquês ao economês. A analogia, apesar de se compreenderem alguns pontos comuns, é, quanto a mim, errada. O economês é um discurso que se quer opaco, construído pelo poder para se justificar através da sua aparência pseudo-científica. Aliás, o problema é que dito economês é mais fácil de se identificar do que o dito eduquês. Neste, cabem tanto as justificações absurdas de sucessivos ministérios, como alguns discursos igualmente opacos sobre a escola mas não resultantes necessariamente de um exercício de poder, como tentativas sérias de pensar e transformar a escola que não se resignam ao status quo. Não caberão certamente no mesmo saco. Nem é sério colocar o Movimento Escola Moderna (e outros) do mesmo lado de Maria de Lurdes Rodrigues.

Continua Ramiro Marques: “tal como os produtos financeiros tóxicos, o eduquês alimenta-se da fabricação fraudulenta dos resultados”. Mais uma vez, a comparação é rebuscada: os produtos financeiros tóxicos são sub-produtos do capitalismo neo-liberal e do jogo de casino em que se transformaram as bolsas de valores; o eduquês parece ser aqui entendido numa definição curta como a prática de um ministério da educação que tem como uma das imagens de marca a obsessão por embelezar as estatísticas como forma de propaganda. O que leva a reafirmar o que nos separa: esta prática de poder não pode ser confundida com outros discursos sobre educação sobre pena de se fazer tábua rasa de realidades muito diferentes.

Na crítica contra o discurso ideológico do poder deste ministério (e a sua prática "educaticida")estaremos juntos. Na cruzada contra formas de pedagogia progressistas estaremos em campos diferentes. O rótulo do “eduquês” para misturar o que não pode ser misturado tem servido também a uma cruzada conservadora que critica qualquer proposta que não se enquadre nos parâmetros da antiga escola disciplinadora e hierarquizada como sendo uma suposta “pedagogia romântica”. Na verdade, poder-se-ia contrapor que a resposta dada por alguns dos mentores desta cruzada é também uma forma de romantismo, o romantismo saudosista de uma escola de antanho.

Assim, o discurso anti-eduquês tem sido fácil, dirigindo-se directamente ao imaginário de uma escola perfeita e ausente de conflitos. Alguns sugerem mesmo que foram métodos pedagógicos que nunca foram implantados na escola portuguesa que seriam responsáveis pela crise da escola pública. Esta é um fenómeno bem mais complexo do que a rábula de que a ausência de autoridade e de conteúdos matou a escola que estava tão bem antes de lhe mexerem…

E dizer isto é andar muito longe de defender o empobrecimento a que foi votado o ensino público em Portugal. E dizer que muito do discurso anti-eduquês é conservador pedagogicamente é andar muito longe de dizer que todas as teorias pedagógicas que se dizem progressistas o sejam efectivamente. Algumas certamente serão justificações de um poder que quer manter a escola como está ou desvalorizá-la sob a capa de um falso igualitarismo, aprofundando na realidade um fosso entre os que aprendem e os que não aprendem, fosso que coincide mais ou menos com as fronteiras de classe. A escola pública que vale a pena, e nisso coincidiremos, é aquela que não desiste de ensinar com a maior qualidade.

E é de qualidade e de trabalhar junto dos que têm mais dificuldades que se fala quando se fala em ensino para o pensamento crítico e de meta-cognição. Estas são aliás realidades longe de ser práticas dominantes do poder educativo vigente em Portugal. Creio que afirmações taxativas como as que são referidas também por Marques, a partir de Carlos Fiolhais, desviam o debate. Este classifica o eduquês como “concepção instrumental da educação: aprender a aprender, aptidões metacognitivas e aptidão para o pensamento crítico. Nada disto quer dizer alguma coisa. Apenas linguagem que encobre o vazio e a ignorância.” Vazio e ignorância partilhados pela Psicologia cognitiva certamente…

A pesquisa empírica sobre critical thinking e meta-cognição tem mostrado que o conhecimento dos seus processos mentais (e dos outros) e o trabalho afincado sobre eles são instrumentos poderosos de ensino. Não são sinónimos de laxismo ou de ausência de conteúdos. Tal como a preocupação de algumas formas de ensinar na compreensão não são sinónimos de desvalorizar a ginástica da memorização e o desenvolvimento das capacidades de memória. Tal como “o respeito pelo ritmo dos alunos, aprendizagem de competências, ensino por competências” não são sinónimo de culpar o professor e desculpar o aluno.

Clarifiquemos, pois. Acredito ser possível, e eu esforço-me em Filosofia por isso, trabalhar o pensamento crítico e a meta-cognição tentando não incorrer em nenhuma das caricaturas do eduquês, trabalhando desta forma para elevar os padrões cognitivos. E acredito também ser possível trabalhar outros métodos de ensino sem cair na displicência instalada em alguma da escola pública e que essa sim é desistência em ensinar quem mais precisa. Aqui estou longe de ter certezas sobre métodos educativos e a sua eficácia...

O eduquês tem as costas largas. Escrever que “a guerra cultural aos conteúdos tem por objectivo a promoção da ignorância colectiva e, em consequência, a aceitação passiva, conformista e acrítica do status quo” não caracteriza certamente muito do que se classifica como eduquês.

Por mim, prefiro retirar a primeira da afirmação e escrever que este ministério da educação tem como objectivo a promoção da ignorância colectiva e, em consequência, a aceitação passiva, conformista e acrítica do status quo. Com esta afirmação espero contribuir para reforçar a frente necessária de resistência à delapidação da escola pública que desmascare a linguagem de pau de alguns dos cultores do poder que se entrincheiram nos corredores do M.E. e em algumas cátedras.

De resto, que siga o debate sobre como deve ser uma escola pública de qualidade sem estigmas. É dele que precisamos urgentemente. Dele e da luta que nos une. Dele, da luta que nos une e do esforço de todos os profissionais competentes com que me tenho deparado nas escolas por onde tenho passado.

Carlos Carujo, São Brás de Alportel

Os Directores como comissários políticos


Os futuros Directores executivos serão, a um tempo, muito fortes perante os corpos docentes, mas extremamente vulneráveis perante as estruturas centrais e intermédias do ME. A tendência será, em especial se for confirmada a sua avaliação segundo o SIADAP, para o poder político os transformar em comissários locais das suas políticas.

Por Paulo Guinote,
aqui


Reflexão suscitada:

Este é de facto um dos maiores problemas do novo modelo de gestão. Os directores tenderão a ser cada vez mais os capatazes do governo dentro da escola. Em boa verdade, isso já se vai passando actualmente em muitos Conselhos Executivos, obcecados em cumprir as ordens que vêm de cima sem as questionar, apesar de terem sido eleitos pelos colegas da escola. O novo modelo de gestão naturaliza e legitima esta prática, que já tem um caminho feito.

Qualquer modelo de gestão justo deve ter como pilar fundamental a assumpção de que a direcção da escola, democraticamente mandatada, defenda junto do poder político as reivindicações, os projectos e as aspirações da comunidade escolar, quando elas, obviamente, não forem discriminatórias ou não atentarem contra direitos individuais e colectivos de crianças, pais, auxiliares, ou professores.

Há, obivamente, limites para a autonomia. Quando uma direcção de uma escola, apoiada pela comunidade escolar, determina que não recebe alunos de “bairros problemáticos”, o ministério deve intervir e desautorizar tal prática.

Mas quando uma escola precisa de um ginásio a sério, ou de mais psicólogos, ou de assistentes sociais, ou de n equipamentos pedagógicos e culturais, ou de apoios para projectos educativos inovadores (que escola não precisa?), ou de mais professores para pôr tudo isto em prática e não sobrecarregar os mesmos, o órgão executivo da escola deve pugnar por todos os apoios necessários junto do ministério.

Um modelo de gestão justo é aquele que permite que todos os membros da comunidade educativa se exprimam e proponham alternativas, projectos e recursos, que permitam a todos os alunos aprender e evoluir e a todos os profissionais condições adequadas de trabalho.

A direcção da escola, em vez de ser a cara do ministério que aplica a burocracia e justifica os cortes financeiros, deve ser a cara da escola e das suas justas aspirações junto do governo.

É já este sábado!


Defender a Escola Pública


Vi, há uns dias, num canal de televisão, uma reportagem sobre a educação especial. O secretário de estado da educação lá aparecia, compungido, a querer debitar o habitual discurso dos números. A jornalista confrontava-o com as realidades que tinha visto nas escolas a que o próprio secretário de estado tinha autorizado a ir. “Que não, quem autorizava eram as próprias escolas”, balbuciava, intimidado. A réplica foi no entanto lapidar – “Não. Foi o senhor que nos autorizou a ir a estas escolas”.

E a realidade não colava com o discurso dos números. Em escolas de referências para cegos, em Lisboa, o atendimento aparecia a ser feito numa arrecadação com materiais feitos pela própria professora, por ausência de quaisquer outros. O contraponto era feito com o Centro Helen Keller, claro, que é só o centro de referência nesta área de intervenção. O desequilíbrio foi brutal.

Depois da “reforma” da educação especial feita por este governo (o anterior também não tinha feito nada de melhor) a realidade aparece-nos, arrepiante, pela casa dentro, nesta reportagem da televisão. Escola pública versus escola privada era, claro, o objectivo da reportagem. É assim que se destrói a imagem de qualidade da escola pública. E quem pode culpar aqueles pais que querem o melhor para os seus filhos e não o encontram na escola pública?

Naquele dia, o secretário de estado ficou sem argumentos face à crueza e à verdade da reportagem. Mas não era de argumentos que os cidadãos portugueses estavam à espera. Depois daquela reportagem os cidadãos tinham direito a um pedido de desculpas! O que o secretário de estado responsável por esta reforma (e aqui a palavra certa teria sido não reforma mas aniquilação) deveria ter percebido é que os cidadãos têm direito a encontrar na escola pública a qualidade do Centro Helen Keller. E este governo não só não o conseguiu como conseguiu piorar, e de que maneira, o que havia.

Quando falamos de ataque à escola pública estamos de facto a falar do que aconteceu e está a acontecer todos os dias no ensino especial como noutras áreas da educação. Mas na educação especial, que trata dos que estão numa situação de desvantagem, é particularmente grave este ataque, esta tentativa de destruição da escola pública. É que para os ricos sempre haverá o recurso ao particular. Mas para os filhos dos trabalhadores a escola pública é a única alternativa. E tem de ser de qualidade.

É por estas coisas que os professores têm de continuar a defender a escola pública. Defender a escola pública tem este significado bem concreto, não é um mero slogan, é construir a qualidade em todos os segmentos do sistema de ensino. E exigir que o governo não destrua o que existe antes promova a melhoria real do sistema.

Uma última palavra para as autorizações. Que raio de país é este em que um secretário de estado tenta esconder que foi ele quem deu autorização a uma estação de televisão para ir fazer uma reportagem a uma escola pública? Lamentável!

É tempo de luta contra este ministério da educação (assim mesmo, com letra minúscula). Em nome da defesa da escola pública e também dos profissionais que nela trabalham. Professores, claro, que têm sido enxovalhados por estes senhores e senhora, mas também porque nas nossas escolas pedimos o necessário (que soa, quantas vezes a pedir o impossível) a outros profissionais que aí dão o seu melhor por um salário mínimo e têm passado invisíveis nestas lutas. Os auxiliares de acção educativa, que ao fim de vinte e muitos anos de trabalho auferem salários baixíssimos e que têm um papel importantíssimo nas nossas escolas, têm sido esquecidos por muitos. A começar pelo governo.

É por isto que vou estar no dia 13 de Março na manifestação, promovida pela CGTP. E na semana anterior, a 7 de Março no gigantesco cordão humano que vai ligar a sede do ME à Assembleia da República e à residência oficial do primeiro-ministro.
Querem melhores motivos?

Manuel Grilo, em escolainfo.net

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Os interstícios do insustentável modelo de avaliação

Quem souber que responda...

Na minha escola há o caso de uma professora que pediu avaliação por alguém do seu grupo de recrutamento. Como não havia nenhum titular no agrupamento que fosse do seu grupo, o Conselho Executivo convidou um professor não titular do mesmo grupo, sem formação e sem ter pedido a avaliação pedagógica para a avaliar. No meio de tantos simplex de tantas entrevistas do Pedreira a dizer que isto não era possível, eu já não sei qual a legalidade desse convite. Não foi verificado se havia titulares do mesmo grupo noutras escolas. Também posso dizer que os titulares desta escola estão sem professores para avaliar e a gozar da "merecida" redução, enquanto o professor, sem redução, terá de avaliar a colega que ainda por cima concorrerá com ele no próximo concurso... Isto é que é um bom modelo de avaliação! Conheço mais duas escolas que estão a adoptar o mesmo procedimento.

Enviado ao MEP

Eis que surge em cena, de novo, o CCAP

Equipa da avaliação admite que faltou fase experimental

CCAP diz que actual situação é incerta.

Conselho científico vai apresentar em Maio um relatório sobre o processo.
O presidente do Conselho Científico para a Avaliação dos Professores (CCAP), Alexandre Ventura, admitiu ao DN que o processo actualmente em curso nas escolas teria decorrido com menos sobressaltos se tivesse sido precedido de uma fase experimental, num pequeno grupo de estabelecimentos.

Alexandre Ventura, que preside a este órgão consultivo do Ministério da Educação desde Setembro, não quis comentar a possibilidade de o Governo se ter precipitado, ao avançar de forma generalizada para o actual modelo sem o pôr à prova. Mas acabou por ser claro em relação aos benefícios que teriam resultado de uma solução mais ponderada na aplicação da avaliação. "Os princípios da investigação e os princípios relativos a alterações com alguma dimensão apontam para que a abordagem ideal seja a experimentação", assumiu. "Dessa forma, é possível reflectir e ver como o modelo se adapta, se precisa de correcções e melhorias".

Realidades muito variadas

Actualmente, admitiu, a percepção do CCAP sobre a forma como está a ser implementada a avaliação é que "a diversidade impera" nas escolas: "Ninguém consegue ter uma ideia clara sobre o que se passa. Há escolas que definiram dezenas de instrumentos de avaliação e outras que escolheram três ou quatro. Há escolas onde todos os professores entregaram os objectivos individuais e outras onde ninguém o fez..."

Segundo revelou, a CCAP está actualmente a trabalhar com um grupo de 30 unidades de ensino (escolas isoladas ou agrupadas) tendo em vista o diagnóstico do processo. "As escolas são todas voluntárias, mas não foram escolhidas por serem a favor ou contra avaliação", garantiu. "Um dos factores de selecção foi o sentido crítico, numa perspectiva construtiva". Em breve será ainda atribuída por concurso, a uma "entidade externa", a selecção de "um grupo muito mais alargado" de escolas. As conclusões serão divulgadas em Maio.

Sobre as recentes medidas de simplificaçãodo processo, aprovadas em Janeiro, o líder do CCAP disse que esta estrutura "foi ouvida" pelo Ministério. Tal "não" aconteceu em relação à questão dos objectivos individuais dos professores. Mas, sem querer "comentar as questões jurídicas" que têm vindo a ser suscitadas, Alexandre Ventura defendeu "não fazer sentido" uma avaliação que não seja precedida por esta entrega.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Para um novo fôlego...


Os professores portugueses têm dado provas extraordinárias da sua capacidade de mobilização pela qualidade da escola pública e contra a burocracia autoritária do ministério da educação.

Em 11 meses realizaram quatro manifestações nacionais (duas delas com mais de 100 mil pessoas), duas greves nacionais (acima dos 90%), dezenas de manifestações locais e regionais, centenas de plenários e moções aprovadas em escolas.

Além disso, dezenas de milhares de professores desobedeceram às ordens cegas do governo, resistindo à entrega dos objectivos individuais. Os que os entregaram, na sua grande maioria, fizeram-no por receio, mas nem por isso deixam de estar empenhados em lutar em conjunto.

Não se pode dizer que tudo tenha sido em vão. De facto, a luta dos professores obrigou o governo a recuar em aspectos em que nunca havia considerado fazê-lo. Neste momento, o que sobra do seu modelo de avaliação é uma "fantochada simplex". Mas que pode tornar-se numa "dura realidade complex" no próximo ano lectivo, se os professores baixarem os braços.

Por outro lado, o essencial ainda está por conquistar. Para nós, o fundamental é o fim da divisão da carreira e o impulso a políticas mobilizadoras para uma escola pública de qualidade, sem exclusões e promotora da autonomia e emancipação de todos os alunos.

É por isso que esta luta não pode parar. Temos as nossas ideias sobre a forma de a continuar. Mas não queremos deixar de ouvir o maior número possível de professores.

Assim, decidimos promover este inquérito:

Qual a forma de luta mais eficaz para continuar a luta pela escola pública? (escolhe uma, duas ou no máximo três opções):

a) alimentar a frente de luta jurídica/legal contra o ministério da educação
b) não entregar a ficha de auto-avaliação nos termos em que o ministério exige
c) greve às avaliação no segundo e/ou no terceiro período
d) uma marcha nacional de educação alargada a toda a sociedade
e) uma nova grande manifestação nacional de professores
f) participar em força no cordão humano de 7 de Março, tornando-o numa acção de massas
g) realizar nova greve nacional, podendo ter mais de um dia de duração

Vota na coluna do lado direito do blogue

Opinião: A escola pós-25 de Abril chegou ao fim...


A escola que foi possível construir após o 25 de Abril de 1974, a escola que ficou conhecida como democrática, alicerçada em valores tais como a igualdade de oportunidades (de acesso) para todos, a democraticidade, a integração comunitária, a cidadania democrática, a liberdade e a justiça social, articulados com uma ideia de autonomia dos professores e das escolas (ideia, aliás, nunca concretizada nos planos político, educativo e organizacional), chegou ao fim e de um modo que, de certa forma, podemos considerar como surpreendente: este fim não anunciado foi concretizado por um governo que se afirma como (único?!) herdeiro do património democrático do país e defensor do que designa por escola pública democrática.

A surpresa não está no facto de ser um governo que se afirma tributário do socialismo dito democrático, pois já possuímos abundantes exemplos, nacionais e internacionais, acerca do modo como os socialistas exerceram e exercem o poder no quadro da hegemonia ideológica neoliberal. A surpresa está no modo iluminado e, por consequência, autoritário, arrogante e inflexível como concebeu as mudanças em curso e o (curto) horizonte temporal definido para a sua aplicação no plano das escolas.

A leitura do Programa do XVII Governo Constitucional, no que à educação diz respeito, permite-nos, agora que nos encontramos próximos do fim da legislatura, perceber o alcance do mesmo, embora seja ilegítimo afirmar que as sucessivas medidas legislativas que todos conhecemos e que sufocaram as escolas em tão curto espaço de tempo, tenham sido objecto de legitimação através do voto popular. Todos sabemos que são poucos aqueles que têm como hábito estudar os programas dos partidos quando se submetem ao escrutínio do voto, assim como os programas de governo construídos na sua base. Mas nenhuma leitura do Programa em questão poderia antecipar o que ocorreu nos últimos três anos no campo da educação.

Como é hoje evidente, o consulado de Maria de Lurdes Rodrigues foi estruturado em torno de uma concepção de escola e de profissão que nos diz que a primeira seria um local de desperdício, de ineficácia e de ineficiência, e a segunda como um modo de afirmação de pessoas incompetentes, acomodadas e privilegiadas. Por outras palavras, as escolas seriam incapazes de educar adequadamente os alunos, não se preocupando minimamente com as suas aprendizagens e o seu desenvolvimento, e os professores uma espécie de mercenários que importava, rapidamente, colocar na “ordem”.

“Partir a espinha” aos professores terá sido a palavra de ordem (implícita ou explicitamente, interessa pouco) que orientou (e orienta) a prática deste triste consulado. Agora que nos encontramos próximos do seu fim, e independentemente do modo como será superado o radical antagonismo que opõe o Governo às escolas e aos professores, uma coisa parece certa: a escola que todos conhecemos e que edificámos nas últimas três décadas, chegou ao seu fim.

Por isso, mais do que fazer de conta que se negoceia, seja o estatuto da carreira docente, a avaliação, o acesso à profissão, a escola a tempo inteiro, as novas oportunidades ou outro tópico qualquer, aquilo que importa é mobilizar as escolas (entendidas finalmente como interlocutores essenciais de qualquer processo de mudança estrutural da educação, dando significado ao conceito de autonomia) e os professores para um empreendimento ciclópico, é certo, mas necessário e urgente face ao estado a que se chegou: a concepção do que podemos designar por projecto de educação para o país, tarefa que nunca foi encetada entre nós de um modo explícito e que terá de ser concebida como central neste momento de transformação em que vivemos.

O projecto neoliberal para a educação, centrado na ideia de avaliação externa das escolas e dos professores, no cheque-ensino e na liberdade de escolha parental das escolas, aí está em todo o seu esplendor argumentativo, à boleia da desastrada política do Governo apoiado pelo PS. A descentralização educativa e a consequente autonomia das escolas constitui, certamente, uma dimensão inelutável do futuro projecto para educação, mas sabemos que existem diferentes modos de o conceber, o que implica um sério debate no interior das escolas e da sociedade em torno da ideia de escola pública, de qualidade e democrática, orientada para o desenvolvimento das pessoas, afinal o único que verdadeiramente interessa.

Manuel António Ferreira da Silva

Publicado em A Página da Educação

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Ninguém se pode encolher!


E-mail recebido: “Soube de fonte segura que este presidente do Conselho Executivo, à conta deste comunicado que passou a todos os profs, e porque alguém o colocou na internet, foi chamado à drel e "encostado à parede...e está numa posição um bocado complicada.....”

Assim como se divulgou pela net o comunicado deste Presidente do Concelho Executivo exemplar, devem-se divulgar todas as intimidações contra quem teve a coragem de dizer a verdade.

Se o governo receia publicidade de quem lhe faz frente, mais receia a publicidade das suas intimidações. Foi por isso mesmo que a DREC fez marcha-atrás.

O Movimento Escola Pública desafia todos os Presidentes dos Conselhos Executivos, e todos os professores, a não deixarem ocultas as intimidações de que são alvo. A sua divulgação é o início da derrota do autoritarismo do governo.

Marchinha de Carnaval


Por Antero Valério (clica na imagem para ampliar)

Há sempre outras soluções


Ontem, tive a felicidade e o prazer de assistir a uma magnífica conferência do Professor Philippe Meirieu, na FPCE-UL.

A propósito do tema «Mutações sociais, pedagogia e trabalho dos professores», Meirieu levou a assistência a reflectir sobre a modernidade e a crise da escola, olhando para essa crise mais do que como uma ameaça, como uma verdadeira oportunidade para a pedagogia e para o trabalho dos pedagogos.

Começou por relembrar que foi Hannah Arendt quem primeiro se referiu à crise da educação, analisando-a como uma crise das teocracias imposta pela emergência das democracias.

Ao longo de quase três horas Meirieu explicou de que forma os governos e as autoridades escolares têm procurado responder a essa crise, recorrendo à burocracia como uma nova teocracia e apontou as alternativas que, do seu ponto de vista, se devem basear na responsabilidade e na liberdade.

Para ele existem sempre outras alternativas e a pedagogia desempenha aí um papel fundamental, embora o seu caminho seja extremamente difícil. Até porque, para Meirieu a definição de pedagogia assenta em duas permissas absolutamente contraditórias:
Toda as pessoas podem e devem ser educadas e crescer;
Ninguém pode ser obrigado a aprender e a crescer contra sua vontade.

É exactamente na tensão entre estas duas permissas contraditórias que o trabalho do professor tem que se desenvolver, não como um dom ou como uma ciência, mas como uma espécie de artesanato, porque o trabalho docente se faz, à semelhança do trabalho do artesão, com os materiais que tem à sua frente, usando os instrumentos a que pode recorrer, fazendo face à realidade e não no ambiente asséptico da especulação científica.

Philippe Meirieu tem enorme produção científica publicada, muita da qual está disponível on-line, na sua página pessoal.

Sobre o tema das alternativas ao pensamento único, que ele classifica como uma espécie de liberalismo autoritário, propõe a refundação do serviço público de educação, num texto de que deixo apenas este pequeno excerto:

«Ainsi, ce n’est pas un hasard si le gouvernement, aujourd’hui, refuse les véritables concertations, s’enferme dans des négociations bilatérales sur ses propres projets sans jamais présenter plusieurs hypothèses et travailler à les affiner. En « réformant » à la hussarde, il focalise l’attention sur ses seules propositions et paralyse toute velléité de créativité collective. Il suscite les réactions de ceux et celles qui se sentent agressés et peut alors jeter en pâture à l’opinion leur « corporatisme ». Au total, il contraint ses adversaires à faire son jeu en protestant contre ses actes. Il peut même ainsi… les rendre fous !»

Por Francisco Santos, do blogue “(Re)Flexões”

Novo Modelo de Gestão Escolar?


Definitivamente o «verniz está a estalar». Os docentes do Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura não organizaram o desfile de Carnaval, como aparentemente seria habitual. Os motivos prendem-se com: eleição do Conselho Geral e do director do agrupamento, as provas assistidas e a avaliação do desempenho, e ainda com as provas de aferição e exames nacionais. Assim, foram suspensas "três a quatro por cento das actividades", onde este desfile estaria incluído.

Os encarregados de educação não gostaram, acusaram os professores de utilizarem os alunos como "armas de arremesso", e queixaram-se à DREN. Esta, ordenou que os professores concretizassem a actividade. Duvido que a DREN tenha competência para deliberar neste sentido, no entanto, só mesmo alguém mais informado poderá esclarecer este assunto.

Mais uma vez estamos perante uma situação de prepotência. Como podem ser os professores obrigados a realizar uma actividade para a qual não dispõem de tempo? Ponderemos as 35 horas semanais, distribuídas entre componente lectiva e não lectiva. Bem sei que costumamos dar muito mais que as horas a que estamos obrigados por lei, no entanto, e principalmente este ano é notório que a falta de tempo é um problema.

Mas a «coisa» não parou por aqui! A CONFAP já veio intervir, e de uma forma que não me atrevo a qualificar. Reparem em algumas das expressões utilizadas: "Tal situação configura um 'motim'(...)"; "(...)traduz uma inteira falta de respeito pelo princípio de Ética(...)"; "Será que julgam que são os cerca de 700 pais de Paredes de Coura que vão beliscar o Governo?".

Publicado no blogue
Professores Lusos

As férias de professores e alunos em França


Enquanto nós nos esgotamos em conselhos de turma de avaliação intercalar, depois de um dia de trabalho e fora do nosso horário, os nossos colegas franceses têm férias escolares de 25 de Outubro a 6 de Novembro.

Além disso, têm ainda duas semanas de férias escolares em Dezembro, Fevereiro e Abril, para além das férias de Verão, e não consta que os alunos franceses tenham pior desempenho no PISA do que os alunos portugueses.

Consultem o calendário escolar francês

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Parabéns Celorico da Beira!


Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira
Número total de professores: 135
Entregaram os Objectivos individuais: 7
Não entregaram os objectivos individuais: 128

Diz que é uma espécie de proposta...


Lemos na comunicação social que a Confap terá apresentado uma proposta de abertura das escolas até às 19 horas, nestes termos:

A possibilidade de nas escolas do 1.º ciclo do ensino básico funcionar o apoio à família, entre as sete da manhã e as sete da tarde, foi posta em cima da mesa pela Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap). A filosofia é adequar o horário das escolas públicas às jornadas de trabalho dos pais, libertando-os da necessidade de recorrer aos ATL (Actividades de Tempos Livres) que, ainda por cima, saem muito caros. De caminho, procura-se pôr a escola pública a funcionar numa lógica de centro escolar, capaz de oferecer terreno seguro para a brincadeira e para aprendizagens alternativas.”
(Do Portal da Fersap)

Na verdade, tendo tido esta proposta um impacte suficiente para levar vários professores, investigadores e muitos órgãos de comunicação social a comentá-la, procurámos mais informações sobre ela, até porque também lemos que:

O Ministério da Educação garante que nada está decidido. "As actividades de enriquecimento extracurricular têm uma comissão de acompanhamento que analisará todas as eventuais propostas que surgirem nesse sentido. Só depois o ministério poderá avaliar e decidir", lê-se na resposta às perguntas colocadas pelo PÚBLICO. E dali não se arranca nem mais uma vírgula. Mas o presidente da Confap, Albino Almeida, garante que o processo está a ser negociado há um ano e está em fase avançada.
(Tb do portal da Fersap).

Ora, pensámos nós, uma proposta que o presidente da Confap garante estar a ser negociada há um ano, certamente terá tido por base estudos promovidos pela Confederação, propostas devidamente fundamentadas, e projectos de funcionamento dos eventuais planos de abertura das escolas por horários extra escolares de 12 horas, nada fáceis de organizar, como bem sabe quem conhece as escolas, sua estrutura e funcionamento.

Consultado no entanto o
site da Confap, nada se encontra! Nem uma referência a qualquer decisão nesse sentido, nem uma comunicação sobre a intenção de apresentar tal proposta, nem qualquer informação sobre as tais negociações que o seu presidente afirma decorrerem há mais de um ano. Nada. Nem uma vírgula sobre em que termos a Confap (ou o seu presidente) pensa poder ser colocado em funcionamento um tal horário.

De notar que, se fizermos uma rápida consulta ao site da
CEAPA, a confederação laica de pais e mães de Espanha, encontramos, sem qualquer dificuldade, vários estudos sobre as ‘jornadas escolares’, quer estatísticos quer qualitativos, várias propostas devidamente fundamentadas sobre o funcionamento de actividades extracurriculares, muita documentação sobre as mais diversas questões relacionadas com a educação, parcerias em documentos públicos, informação pormenorizada sobre a actividade da Confederação e várias conferências de imprensa, para além, naturalmente, de entrevistas com @s presidentes, que explicam publicamente o plano de acção das suas equipas.

Não falamos de outras organizações de pais e mães por essa europa, tendo privilegiado uma proximidade geográfica que nos permite uma mais fácil consulta de documentos e compreensão da realidade social e de funcionamento das instituições.

Também aqui se fala numa abertura das escolas para além do horário curricular, mas essa proposta dirige-se apenas ao ensino primário e tem por base a decisão do governo central de passar os horários deste nível de educação apenas para a manhã, numa ‘jornada contínua’ (curiosamente numa tendência contrária à que aqui se verifica), deixando a tarde toda livre para a organização de actividades não escolares.

Voltando à proposta da Confap, e tendo em conta o que atrás ficou dito, parece-nos ser de exortar esta Confederação a:

- Informar claramente qual é de facto a sua proposta de funcionamento das escolas, após o horário curricular;

- Em que termos se compromete esta Confederação na organização desse funcionamento, ou com que entidades conta, ou estabeleceu parcerias para tal alargamento de horário;

- Como pensa esta Confederação manter a identidade pública e a garantia de gratuitidade e qualidade da escola, para além dos tempos curriculares, já que esta proposta visará, certamente, as camadas populacionais com famílias que não têm acesso a outras ofertas;

Informar em que termos se estão a desenvolver as negociações com o Ministério da Educação, referidas pelo seu presidente.

E assim poderemos debater a sério.

Resistir é vencer!


Colegas

Terminado o prazo fixado para a entrega dos OI (09/02/09), chegou a altura de fazermos o ponto da situação em relação à luta contra o modelo de avaliação docente imposto.

· Num universo de 177 docentes do Agrupamento de Escolas de Cantanhede, 81 educadores e professores (46,5%) não conseguiram, não puderam ou não quiseram resistir à chantagem do ME, cedendo e entregando os objectivos individuais.

· O maior número de desistências quer em termos absolutos quer percentuais registou-se no 1.º Ciclo onde 42 professores entregaram os OI, incluindo 3 contratados (75%).

· No Pré-escolar entregaram 6, incluindo 1contratado (40%) .

· Nos 2.º e 3.º Ciclos entregaram 30 professores, dos quais 17 contratados (27%).

· De entre estes, 16 docentes (9%) solicitaram aulas observadas, tendo por objectivo a obtenção de Muito Bom / Excelente na avaliação do seu desempenho.


Estes são os dados objectivos. Importa retirar algumas breves ilações.

1. A pressão exercida pelo ME junto dos docentes, recorrendo a todos os meios, inclusive a mais vergonhosa e inaceitável chantagem, acabou por dar frutos, quebrando alguns menos convictos, mais hesitantes ou temerosos.

2. É no 1.º Ciclo que maior quebra se verifica. E a tendência é geral pelo país. Mais do que criticar importaria tentar perceber o porquê. Alguma fragilidade derivada do seu relativo isolamento nas escolas?!...

3. A ameaça de não contagem do tempo de serviço não avaliado para efeitos de concurso, terá pesado bastante nos colegas que ainda não adquiriram estabilidade profissional e ambicionam aproximar-se à residência. Porém, tal ameaça não deveria ter pesado na decisão de entregar os OI, pois que independentemente do que vier a acontecer em matéria de ADD, a não entrega dos OI não implica a não avaliação.

4. A maioria dos docentes (96- 54%), apesar de tudo, soube resistir. É em momentos de luta como estes, em que se decide o destino profissional de toda uma classe, que se vê o carácter, a firmeza e a vontade das pessoas. Creio poder afirmar que saímos ética e moralmente reforçados nas nossas convicções e dispostos para continuar a luta
por um ensino público de qualidade para todos, que dignifique a profissão e responda aos desafios que nos são colocados.

5. Uma ínfima minoria dos docentes candidatou-se à classificação de Muito Bom / Excelente. É de lamentar que alguns destes colegas não tenham compreendido em todo o seu alcance o que verdadeiramente está em causa neste processo de luta, quando a esmagadora maioria contesta o modelo de avaliação, assumindo posições de coragem, solidariedade, risco e sacrifício.

6. Porém, a luta não acabou e todos somos precisos. Os que resistiram e não entregaram os OI e os que por uma outra razão não conseguiram resistir entregando-os. Mais do que cavar o fosso da divisão importa chamar à unidade para prosseguir a luta de resistência.

7. O processo ainda não está encerrado. Para uns e outros importa relembrar que se baixarmos os braços vencidos pela resignação, impotência ou descrédito, perderemos não só uma batalha como a guerra. Todo o capital de luta adquirido será perdido e de nada terá valido a enorme lição de unidade dada pelos milhares de professores. Para o ano que vem teremos de engolir o modelo de avaliação eventualmente reciclado e recauchutado aqui e ali, com todo o peso sancionatório da avaliação. As escolas, bem o sabemos, irão virar um inferno e as relações entre pares deteriorar-se-ão fruto de uma insana concorrência na corrida à nota
, que em nada contribuirá para melhorar as respostas educativas das nossas escolas no seu todo, nem tão pouco contribuirá para a melhoria do desempenho docente.

8. A nossa luta coloca questões muito para além da avaliação do desempenho docente, convocando-nos para cerrar fileiras na defesa da revisão do Estatuto da Carreira Docente, abolindo a divisão artificial da carreira, bem como as quotas de avaliação, mas também, não o esqueçamos, a luta contra o novo modelo de gestão que acentua a verticalização e hierarquização acrítica da cadeia de comando, na figura do Director, dependente do ME e nas suas correias de transmissão, anulando toda a vida e participação democrática nas escolas.

9. Por tudo isto temos de continuar unidos na vontade e determinação de resistir. No próximo dia 7 de Março os educadores e professores sairão de novo à rua manifestando o seu descontentamento. Haverá um cordão humano, o maior jamais feito em Portugal, unindo o Ministério da educação na 5 de Outubro, à Assembleia da república e acabando na residência do 1.º ministro. Organizemo-nos para participar.


RESISTIR É VENCER!


Um Abraço a todas/os
Do colega

Serafim Duarte

Escola Secundária da Amora (correcção)


Caros colegas,
Agora sim, a informação dos números acerca da entrega dos objectivos individuais da Escola Secundária de Amora, no momento em que terminou o prazo. Refiro-me ao momento do termo do prazo, porque, entretanto, os números podem mudar (e mudam) para um lado ou para o outro.
Entregaram os objectivos: 89 professores
Não entregaram:104 professores

Um abraço,Mário Carneiro

Marcha-atrás nas ameaças


A Direcção Regional de Educação do Centro enviou um e-mail aos Conselhos Executivos para saber a sua posição em relação aos professores que não entregaram os objectivos individuais. A professora Isabel Le Guê, representante dos 212 Conselhos Executivos que se reuniram em Coimbra, denunciou a “manobra intimidatória” e o ministério mandou fazer marcha-atrás. Eis a notícia do público online:

Pergunta sobre professores que não entregaram objectivos foi “um lapso”

Direcção Regional de Educação do Centro nega que e-mail enviado aos Conselhos Executivos tivesse qualquer objectivo de “pressão ou intromissão”

18.02.2009 - 14h23 Graça Barbosa Ribeiro

Os presidentes dos Conselhos Executivos das Escolas que haviam sido chamados a revelarem qual a sua “posição relativamente aos docentes que não entregaram os objectivos individuais” foram hoje contactados por um responsável da Equipa de Apoio às Escolas de Coimbra, que lhes disse que a pergunta foi feita “por lapso” e os dispensou de responder.

Os contactos – cujo teor foi confirmado pela presidente do Conselho Executivo da Infanta Dona Maria, Rosário Gama – foram seguidos da divulgação de um comunicado pela Direcção Regional de Educação do Centro (DREC), em que se afirma que “o e-mail enviado [para as escolas], de iniciativa local, não teve qualquer objectivo de pressão ou intromissão”. “Foi a forma encontrada por uma determinada equipa de Apoio às Escolas de fazer um ponto da situação, conducente a qualquer esclarecimento ou apoio que se revelasse oportuno”, acrescenta.

A questão em causa foi colocada no âmbito de um inquérito em que se perguntava, também, qual o número de professores que entregaram objectivos, o dos que os não entregaram, o dos que requereram avaliação científico-pedagógica e avaliador do próprio grupo disciplinar e ainda o daqueles que pediram dispensa de avaliação. E foi entendida por Isabel Le Guê, que este mês foi escolhida para porta-voz dos 212 presidentes dos conselhos executivos que contestam a avaliação dos professores, como “uma forma de pressão”.

“Que relevância tem a posição da Comissão Executiva em relação aos que não entregaram os objectivos individuais? Infelizmente, só posso interpretar a pergunta como uma manobra intimidatória, como forma de levar os presidentes dos conselhos executivos a agirem – não com o propósito que devia ter qualquer avaliação, a de melhorar o desempenho dos avaliados – mas sim por medo de serem prejudicados”, reagiu ontem Isabel Le Guê.

Maria do Rosário Gama, que faz parte do grupo dos 212 professores, frisou hoje que a pergunta “só podia ser entendida como uma forma de pressão” e disse-se “muito satisfeita por se tratar de um lapso”. “Nunca senti qualquer forma de pressão por parte desta direcção regional e estava extremamente surpreendida”, afirmou.

Novo método de avaliação simplificada


O Modelo de Avaliação está Moribundo - Desta vez é o próprio PS a dar mais uma machadada

Até o próprio PS quer mais esclarecimentos

O PS viabilizou esta terça-feira um pedido de esclarecimento ao Ministério da Educação sobre as «consequências legais e disciplinares» da não entrega por parte dos professores dos objectivos individuais, no âmbito do processo de avaliação de desempenho, escreve a Lusa.
Na Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República, os partidos aprovaram esta tarde por unanimidade uma proposta do PSD neste sentido, na qual a ministra Maria de Lurdes Rodrigues é ainda questionada sobre o «enquadramento legal» decorrente do incumprimento daquele procedimento.
«Toda» a comissão

«Com efeito, as soluções normativas em vigor não se apresentam claras e inequívocas, designadamente para quem tem a responsabilidade de fazer cumprir a lei e executar o referido processo de avaliação de desempenho», lê-se no documento hoje aprovado no Parlamento.Em declarações à Agência Lusa, o deputado social-democrata Pedro Duarte sublinhou o facto de ter sido toda a Comissão a solicitar esclarecimentos, e não apenas um grupo parlamentar individualmente.

ME obrigado a recuar nos créditos de formação


Após pressão do SPZCentro/FNE o ME é obrigado a recuar nos créditos de formação.

Contrariamente ao que era voz corrente nas escolas e nos Centros de Formação, os professores não são obrigados a apresentar 50 horas, mas sim 25 horas de formação até final de 2009.

Finalmente o Ministério da Educação (ME) vem ao encontro da exigência apresentada pelo Sindicato dos Professores da Zona Centro (SPZCentro/FNE) de os professores apresentarem até finais de 2009 apenas um total de 25 horas de formação.

Desde que o ME havia imposto o congelamento da carreira docente (30 de Agosto de 2005) que a formação contínua sofrera um sério revés. Mesmo depois do descongelamento (Janeiro de 2008), o ME foi inábil na gestão deste processo. Exemplo disso foi a reorganização geográfica dos Centros de Formação de Associação de Escolas (CFAE), que apenas tem em vista cortar nas despesas, independentemente de haver ou não capacidade de resposta ao processo da formação contínua dos professores.

Como se não bastasse, fora divulgada a informação de que os professores teriam de realizar 50 horas de formação (25 horas do ano anterior mais 25 horas do actual). Ora, era inconcebível o ME deslocar para os professores uma situação da sua exclusiva responsabilidade. Foi isso que o SPZCentro exigiu junto da tutela, vindo agora a confirmar-se que cada professor só terá de apresentar 25 horas de formação até finais de 2009.

Em tempo oportuno, o SPZCentro tinha já denunciado que a demora que o ME tem tido, através dos CFAE, na apresentação de acções de formação contínua (FOCO) acreditadas e creditadas pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua (CCPFC) estava a potenciar um verdadeiro comércio da formação.

Não obstante a candidatura de Planos de Formação dos CFAE ao Programa Operacional do Potencial Humano (POPH) em Março 2008, de que só em Novembro houve despacho, sofrível, com alegação de escassez de verbas por Despacho do secretário de Estado da Educação, de 4 de Julho de 2008, a rede de CFAE, criada desde 1992, foi extinta; o mesmo diploma previa de imediato a criação de uma nova e substancialmente reduzida rede de CFAE.

Então, o SPZCentro criticou esta alteração por considerar que não traz mais-valias para os seus destinatários. A redução do número de CFAE no país e o consequente aumento geográfico da sua abrangência em nada contribui para uma resposta objectiva de proximidade às necessidades dos professores.

Perante a inércia que nos últimos anos se gerou por falta de uma clara definição de um programa para a formação dos professores, tem havido entidades menos escrupulosas que vêm acenando com acções de formação aos professores, com o ónus do respectivo pagamento e recorrendo a estratégias pouco abonatórias de mercantilização.

O SPZCentro espera que o ME encarreire numa política de formação contínua séria e consequente, para os docentes; não pode apenas exigir, tem de criar condições sérias e dignas para o exercício da actividade profissional.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Carta aberta aos Presidentes dos Conselhos Executivos

Colegas,
Todo o processo relacionado com a avaliação de desempenho está a ser extremamente complexo e doloroso para os professores, incluindo, naturalmente, os que exercem funções nos órgãos de gestão das escolas. Se outras razões não existissem para suspender o modelo que o Ministério da Educação impôs, estas seriam suficientemente fortes para que o Governo já tivesse ouvido os Professores, incluindo os membros dos órgãos de gestão, as organizações sindicais, os partidos políticos da oposição e diversos dos seus próprios deputados e dirigentes. Essa suspensão seria o ponto de partida para que todos nós, os que pugnamos por uma Escola Pública de Qualidade e sabemos da importância de dignificar e valorizar a profissão e os profissionais docentes, pudéssemos reflectir, debater e aprovar um novo modelo de avaliação, formativo e relevante para o desempenho dos docentes.

Chegámos ao momento de serem fixados os objectivos individuais de avaliação (OI) e muitos colegas decidiram não os entregar, abdicando de um direito que a lei lhes confere, mas, precisamente por ser direito, não obriga a que o exerçam.

Na ausência de um quadro legal diferente daquele que existe, responsáveis do Ministério da Educação referem-se a abstractas penalizações e a DGRHE, quer através de respostas que envia às escolas, quer de alegados esclarecimentos que coloca na sua página electrónica ou divulga por correio electrónico, quer, ainda, através das designadas FAQ's, faz passar uma mensagem que é dúbia e está a levar muitos colegas Presidentes de Conselhos Executivos (PCE's), nas "Notificações" que entregam aos professores, a prestarem informações falsas e a incorrerem em ilegalidade.

É verdade que a auto-avaliação (primeira fase do processo avaliativo) deverá ter referências previamente fixadas, mas nada obriga o avaliado a propô-las e este não tem competência para as fixar.

Pode o avaliador, este ano o PCE, prescindir de fixar os OI, dada a simplificação que foi aprovada, pois, na verdade, os parâmetros e itens considerados ou não carecem de OI ou, os que, eventualmente, necessitariam, encontram-se fixados no Projecto Educativo de Escola (PEE), Plano Anual de Actividades (PAA) e Projecto Curricular de Turma (PCT). O que o PCE não pode é informar o avaliado que, por não ter apresentado a sua proposta de OI, isto é, por não ter exercido um direito, "estará impedido de elaborar a sua auto-avaliação", "estará impedido de ser avaliado", "deixará de lhe ser considerado o tempo de serviço para evolução na carreira" ou "produzir-se-ão efeitos previstos em [determinados] artigos do ECD".

Por serem ilegais aqueles procedimentos, os Sindicatos da FENPROF accionarão os mecanismos jurídicos e judiciais adequados sempre que um professor for notificado naqueles termos. Além disso, não pode o docente deixar de ser avaliado por razão imputável ao avaliador (por exemplo, decidir não avaliar porque o avaliado abdicou de exercer um direito), sob pena de, a este, se aplicar o disposto no artigo 38.º do Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, que prevê a destituição do cargo e a instauração de procedimento disciplinar.

Na opinião da FENPROF, a administração educativa está a agir de forma que não respeita o princípio da confiança a que está obrigada perante os seus administrados, designadamente os que exercem cargos e funções de direcção, levando-os a incorrer em procedimentos ilegais. Por essa razão, recorreremos aos Tribunais apresentando queixa contra a DGRHE por violação daquele princípio.

Colega,
Procurando contribuir para a suspensão deste modelo de avaliação, a FENPROF irá, ainda, accionar os seguintes procedimentos:

1. Exigência, junto dos PCE's, de fundamentação legal das Notificações que estão a ser enviadas aos professores;

2. Decorrente do anterior, interposição de acções administrativas especiais de impugnação de actos administrativos fundamentados em normas ilegais do actual modelo de avaliação e, eventualmente, entrega de pedidos de declaração de ilegalidade circunscritos a casos concretos das referidas normas;

3. Requerimento, junto do Ministério Público, para declaração de ilegalidade de normas do Decreto Regulamentar n.º 1-A/2009;

4. Apresentação de requerimento, junto do Provedor de Justiça, PGR e Grupos Parlamentares, no sentido de ser suscitada a fiscalização sucessiva e abstracta da constitucionalidade do Decreto Regulamentar n.º 1-A/2009, de 5 de Janeiro;

Contamos consigo, como contamos com todos os Professores na construção de uma Escola Pública de Qualidade e na dignificação dos profissionais e do exercício da profissão docente.

Com os melhores cumprimentos, um Abraço
Mário Nogueira
Secretário-Geral da Fenprof

Escola Secundária Infanta Dona Maria


Na Escola Secundária Infanta D. Maria, em 91 professores, 8 entregaram os objectivos (8,8%). Destes 8, 5 são contratados e um destes foi o único a pedir avaliação na componente científico-pedagógica. A percentagem dos que não entregaram é 91,2%.
Cumprimentos
Maria do Rosário Gama

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

200 professores de Viseu garantem que "não vergam"


Viseu, 16 Fev (Lusa) - Cerca de 200 professores manifestaram-se hoje pelas ruas de Viseu contra o estatuto da carreira docente e o modelo de avaliação do desempenho, avisando o Governo de que "não vergam" às vontades do Ministério da Educação.

"O facto de, mesmo depois da simplificação do modelo de avaliação de desempenho e de o Ministério da Educação meter medo, 60 mil professores não terem entregado os objectivos pessoais e milhares continuarem a vir para a rua, prova que os professores não vergam", afirmou Francisco Almeida, dirigente do Sindicato dos Professores da Região Centro.

Os professores estiveram reunidos em plenário durante toda a manhã e aprovaram uma moção que apela à "continuação da resistência das escolas e dos professores contra a aplicação do modelo de avaliação que o Ministério da Educação e o Governo, a qualquer custo, querem impor".

Apelaram também à participação no cordão humano a realizar a 07 de Março em Lisboa, para o qual já se inscreveram mais de 100 professores de Viseu.
Depois do plenário, no qual, segundo Francisco Almeida, participaram cerca de 400 professores, metade deles deslocou-se para o Governo Civil de Viseu.
Pelas ruas gritavam as frases habituais: "Avaliação sim, mas esta não", "Categoria só há uma, professor e mais nenhuma" e "Está na hora de a ministra ir embora".

Nas mãos levavam faixas com inscrições como "No Ministério da Educação a asneira pega de estaca e germina rapidamente" e "Não há progresso sem conhecimento. Os professores exigem respeito pela sua profissão".
"Enquanto esta questão não for resolvida, vamos encontrar-nos com o senhor governador civil mais vezes", garantiu Francisco Almeida ao microfone, em frente ao edifício do Governo Civil.

Segundo o dirigente sindical, hoje de manhã realizou-se também um plenário em Lamego (Norte do distrito de Viseu), seguido de manifestação até ao edifício da Câmara Municipal, que contou com a presença de 200 professores.

Lusa/fim

Um apelo imbecil ao individualismo


"Este modelo de avaliação docente é civilizacionalmente retrógrado, é um andar para traz na luta pela valorização da cultura e dos valores de referência dos últimos dois séculos. É o retorno à competição desenfreada e animalesca contra a fraternidade humana. É um apelo imbecil ao individualismo contra o apelo à solidariedade.

Este modelo de avaliação só pode ter sido arquitectado por alguém que ainda se vê ou imagina de cacete na mão, as partes púbicas cobertas com uma tira toscamente recortada de pele de animal selvagem, porque assenta em arquétipos caceteiros de actuação (estratégia frequentemente utilizada pela actual equipa do ME), é fraudulento e mentiroso e tem os objectivos que são…um, apenas um, apenas um: desprestigiar a classe docente, despromovê-la socialmente (e, por arrasto, a escola a que todos devem aceder em condições de igualdade) e pagar-lhes pouco.

Compreensível, já que o dinheiro público não dá para tudo e para todos. E como o movimento que se pretende não é de progresso civilizacional mas de regressão, esse dinheiro, se não continuarmos com a nossa perseverança, será distribuído de forma “natural”… De acordo com a lei da selva ou seja, do mais forte…Selectivamente, ganharão os banqueiros. De preferência, porque mais de acordo com a natureza, os mais manhosos, pervertidos e corruptos…”

Comentário de José no blogue ProfAvaliação

Mais 128!


Agrupamento Vertical de Escolas D.Miguel de Almeida (Abrantes)
Número total de professores: 185
Número de professores que entregaram objectivos: 57
Número de professores que não entregaram objectivos: 128