sábado, 17 de janeiro de 2009

Professores do Agrupamento de São Julião da Barra não entregam objectivos individuais


Os professores do Agrupamento de escolas de S. Julião da Barra, na sequência da anterior tomada de posição, assumida em assembleia-geral de docentes no dia 29 de Outubro de 2008, reuniram para analisar as alterações introduzidas pelo Decreto. Regulamentar nº 1-A/2009 de 5 de Janeiro, no processo de Avaliação do Desempenho Docente (ADD).

Considerando que:

1) a regulamentação agora publicada, embora retire do processo avaliativo alguns parâmetros, anteriormente previstos e apontados no documento produzido na assembleia de 29 de Outubro, não o torna mais exequível, nomeadamente devido à concentração de competências no Presidente do Conselho Executivo;

2) a referida regulamentação, ao consignar a não obrigatoriedade de os Professores serem avaliados na componente científico - pedagógica, não só não promove, como compromete, a qualidade do ensino;

3) este processo, a realizar-se nos termos agora regulamentados, continuará a não promover uma aplicação harmónica e rigorosa da avaliação e a criar as condições para que os professores, avaliados, no contexto local de um determinado Agrupamento, possam concorrer, a nível nacional, com outros colegas, avaliados de forma tão diversa que o processo se torna injusto e não equitativo constituindo-se, assim, como instrumento promotor de desmotivação;

4) as medidas introduzidas são transitórias e conjunturais pelo que se mantém inalterado o modelo de ADD, consignado no Decreto lei nº 15/2007 e no Decreto Regulamentar nº2/2008 o que continua a comprometer a construção de um modelo de avaliação justo, sério e credível, bem como desvia significativamente a Escola da sua principal razão: a educação dos alunos.

Os professores abaixo assinados continuam a manifestar a sua discordância perante o modelo de avaliação que se mantém em vigor através do Decreto-lei nº15/2007 de 19 de Janeiro, do Decreto Regulamentar nº2/2008 de 10 de Janeiro e do Decreto Regulamentar 1-A/2009 de 5 de Janeiro mediante uma tomada de posição que se traduz pela não entrega dos objectivos Individuais.

16 de Janeiro de 2009


Segundo a lista do ProfAvaliação (actualizada esta manhã) esta semana mais de 125 escolas rejeitaram o modelo simplex da ministra.

2 comentários:

nina disse...

A todos os comentadores e visitantes dese blog:

Vejam como o Professor Ramiro Marques respeita a liberdade de opinião no post “122 moções às 22:00: 49 agrupamentos e 73 escolas. A aprovação de moções de rejeição da ADD está imparável” - PUBLICADA POR RAMIRO MARQUES EM 21:55 16 de Janeiro de 2009 no seu blog Profavaliação:

“Anónimo disse…
Ao Anónimo do dia 17 de Janeiro de 2009 11:12 que pergunta “Ramiro porquê que saiu daqui o texto do anónimo das 23:15?”:
A todos os comentadores deste blogue:

O texto do anónimo das 23:15 (16 de Janeiro de 2009) desapareceu porque o Professor Ramiro Marques o apagou.

Não respeitou o direito à liberdade de expressão (conquista de Abril de 74) porque não entrosava na sua opinião política sobre a ADD, porque não servia os seus interesses neste blogue.

Não se respeitou a ele próprio pois a epígrafe deste seu blogue é a seguinte: “Blog centrado na divulgação de informação sobre o estatuto e a avaliação do desempenho dos professores Análise e crítica de toda a legislação escolar.”

Para que conste, aqui se republica:

“Anónimo disse…
Estou FURIOSO. COMIGO. E venho aqui dizer porquê.
É que nesta luta tenho aderido ao que Me tem sido pedido como professor. Fiz as greves, marchei junto com os meus colegas, li e acompanhei a luta nos blogues, cansei-me de ler as cópias dos textos duns blogues para outros, divulguei os posts, não entreguei os OI, discuti com colegas, eu sei lá.
E agora descubro que fui enganado. Publicou-se a lista das escolas dos PCEs que estiveram na reunião em Santarém. O Ramiro publica-a com o manifesto num link para a fenprof antes da reunião dos 14 representantes com a Ministra.
Foi anunciado aos quatro ventos que eram 139 PCEs. Na lista estão 128 escolas, das quais uma é repetida. Quem escolheu mentir? Que tem de diferente, ou mágico, o número 139?
Fui ver quem eram as escolas. Cerca de 30 são de longe, as outras estão próximas de Coimbra e Santarém!
Nos blogues, publicou-se a lista das escolas que repetiram a rejeição da entrega dos OIs ou suspenderam de novo a ADD – nos blogues do Ramiro, do educação sa, no mup.
Na última lista, 122 escolas e agrupamentos. Mas 11 são nomes repetidos! 1 até em 2 nomes! Portanto, 111!
Incrível a pouca seriedade de quem lidera estes movimentos, professores. Pela mentira, pela ocultação da verdade. E no blogue do Movimento da Escola Pública, a lista das escolas que rejeitam a ADD ou a suspendem é das escolas TODAS, inclui as das moções de Novembro! Junta tudo – Novembro e Janeiro! Mesmo com as datas de Janeiro, é a ilusão do muitos, a ilusão de que todos estamos na mesma luta, de que não estamos sozinhos.
Comparei as 2 listas, a das escolas presentes na reunião e a das escolas publicada no profavaliação e educação sa.
Que constato?
127 PCEs na reunião de Santarém, 111 escolas que rejeitaram a ADD ou a suspenderam, recordam-se?
Só 26 são coincidentes.

Como é? Há 101 PCEs contra a ADD do que as escolas/Agrupamentos? Há 101 PCEs cujas escolas/agrupamentos não rejeitaram a ADD ou a suspenderam agora?

SintoME ENGANADO! Sinto-ME DEFRAUDADO! Sinto-ME REVOLTADO! Ramiro, mup, reitor, frenprof, TODOS, estiveram a brincar comigo.

Bem devia ter dado atenção ao que a MINHA cabeça dizia. Devia ter pensado por MIM.

Por isso, vou sair deste REBANHO porque os seus PASTORES não prestam.
16 de Janeiro de 2009 23:15”

Reparem bem como os comentários dos Anónimos de 17 de Janeiro de 2009 0:06 e 1:21 se dirigem ao das 23.15. E o das 11:12.

Mas este não foi o único texto que desaparece. Aconteceu o mesmo ao texto do anónimo das 22:31 (16 de Janeiro de 2009). Aproveito para o recolocar aqui:

“Anónimo disse…
“A demissão em bloco de professores que foram eleitos pelos seus colegas para os representar não iria resolver qualquer problema. Seria antes uma traição aos professores que os elegeram”, disse ontem a dra. Rosário Gama à saída de reunião de 4 horas (!) no ME.

Pergunto-me se ninguém se lembrou desta conclusão óbvia quando resolveram ameaçar com a demissão colectiva. Eu já aqui tinha dito: a inexperiência política destas pessoas é confrangedora, e o estado de desespero em que estão é por demais visível.

Mas há mais: percebe-se que a dra.Rosário Gama só reconhece o que os seus pares querem num dado momento, mas não o que lei manda fazer. É uma concepção muito adolescente de democracia, e leva à completa desresponsablização dos líderes. O que a dra.Rosário Gama faz, com comportamentos destes, é legitimar a mudança no enquadramento jurídico que o Governo levou a cabo no regime de gestão e autonomia das escolas, instituindo a figura do director, porque com pessoas destas à frente das escolas, as decisões difíceis para a maioria - mas em conformidade com a lei - vão sempre para a gaveta.

A dra.Rosário Gama acha que não vive num Estado de direito, mas num estado das “multidões enraivecidas”. E dá-lhes razão. Chamam a isto ‘coragem’?
16 de Janeiro de 2009 22:31”

A este comentário, responde o do Anónimo de 16 de Janeiro de 2009 22:40: “Anónimo disse…
Anónimo das 22:31, …”

Anónimo de 16 de Janeiro de 2009 23:15
17 DE JANEIRO DE 2009 15:57 “

Anjo disse...

A informação de que participaram 139 CEs foi dada na imprensa. Nenhum bloguem pretendeu enganar ou manipular informação. Divulgaram a que receberam.
Se esse colega entende que o outro lado é melhor ou decide baixar os braços e deixar andar, é lá com ele. De facto, vivemos num país democrático, embora às vezes não pareça e cada um é livre de fazer as suas próprias opções.