quinta-feira, 16 de outubro de 2008

As posições colectivas nas escolas estão em marcha


Já são várias as escolas que este ano lectivo estão a avançar com moções a exigir a suspensão da avaliação, e nalguns casos a avaliação está mesmo suspensa. Acreditamos que esta dinâmica se pode reproduzir com facilidade e apelamos aos professores de todas as escolas que sigam estes exemplos.

Escola Secundária da Amadora

Agrupamento de Armação de Pêra

Escola Secundária Jaime Magalhães Lima (Aveiro)

Escola Alice Gouveia (Coimbra)

Agrupamento de Escolas de Aradas (Aveiro)

Agrupamento de Ourique

Professores de Chaves


4 comentários:

Ana Prado disse...

quem dera fosse assim tão simples. A reunião de Departamento na minha escola foi surreal, pelo ar de satisfação dos colegas avaliadores e pelo silêncio e concordância dos restantes.
Ontem em reunião de grupo, decidi abordar a questão. Fi-lo, mas fui logo avisada que a larga maioria dos professores não vão aderir a qualquer constestação.
É frustrante, colegas!

Armindo Sebastião disse...

Não há nenhum sector profissional ou social com uma total unidade. A vossa entidade patronal em alguns aspectos tem a razão, noutros não; as soluções que adoptou são más. A vossa manifestação dos 100 mil foi circunstancial. Se fossem 50 ou 60 mil era na mesma grande. Houve várias manifestações, umas pequenas, outras maiores em vários locais até conseguirem algo de um governo absoluto de maioria. como em qualquer profissão há pessoas que gostam do poder e outras que se vendem ao poder e outras que cedem ao poder. Vocês, professores, que desculpem, mas vocês cederam ao poder quando começaram a passar os alunos mesmo sabendo que não sabiam. Quando ia ver as pautas dos meus filhos via muitos com 5, 6 ou 7 negativas no 2º período e, por magia, passavam no terceiro que muitas vezes era de um mês e meio.

Espero que consigam dignificar a vossa profissão pelo bem dos nossos filhos.

Sem os vossos Sindicatos não vão longe. Se acham que eles que não a agir bem, sindicalizem-se, participem nas reuniões sindicais e mudem as coisas.

Felicidades

maria josé vitorino disse...

e mudem as coisas.

sábias palavras, apenas um erro de sintaxe; melhor e essencial:

mudEMOS as coisas

Concordas, Armindo?

lurdes disse...

Apoiada, Mª. José. A luta não é só nossa. Professores, pais e alunos têm todos igual obrigação de participar. Não é apenas o nosso futuro que está em jogo, é a qualidade do ensino, o ambiente das escolas, o futuro dos vossos filhos. Por tudo isto, pais e alunos deste país, juntem-se a nós por um futuro melhor.